Crise síria aumenta risco de conflito entre EUA e Rússia

0
Os presidentes de Rússia, Vladimir Putin (esq), e Estados Unidos, Donald Trump.

As ameaças do presidente Donald Trump de atacar a Síria após o suposto uso de arma química por parte do regime em Damasco colocaram Estados Unidos e Rússia diante do mais elevado risco de conflito desde a Guerra Fria.

O embaixador da Rússia junto à ONU, Vassily Nebenzia, declarou nesta quinta-feira, após uma reunião reservada do Conselho de Segurança, que a “prioridade imediata é afastar o risco de uma guerra”.

Ao ser consultado se falava de uma guerra entre Estados Unidos e Rússia, o diplomata declarou: “lamentavelmente não posso excluir qualquer possibilidade”.

A já difícil relação bilateral entre Estados Unidos e Rússia se agravou em razão do conflito na Síria, onde Washington e Moscou se aliaram a forças antagônicas.

A tensão se agravou após o suposto ataque com arma química no sábado passado contra o enclave rebelde de Duma, na região de Damasco.

Trump reagiu com ameaças de ataques a posições do regime sírio, e a Rússia respondeu que qualquer míssil americano lançado contra a Síria será interceptado e destruído.

Na quarta-feira, quando as forças sírias e russas tomavam posição na região de Duma, Trump voltou a ameaçar com um ataque de mísseis.

Há exatamente um ano, os Estado Unidos lançaram mísseis contra uma base aérea síria, mas as tropas russas foram alertadas previamente e se afastaram do complexo militar, que foi rapidamente reparado.

Neste quadro de crescente tensão, os militares russos têm formulado declarações agressivas, mas o presidente Vladimir Putin e seu governo adotam uma posição mais cautelosa, limitando-se a exigir prova da responsabilidade do líder sírio, Bashar al Assad, no ataque químico.

“A grande preocupação é sempre um eventual erro, as consequências inesperadas”, disse Boris Zilberman, da Fundação para a Defesa das Democracias.

No final de semana, caças israelenses atacaram tropas iranianas no território sírio, o que complica ainda mais a situação.

Mas para a Rússia, o critério essencial de intervenção deve ser a segurança de suas tropas na Síria, que estão ao lado de forças do regime e combatentes iranianos em diversas regiões do país.

Boris Toucas, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, avalia que “nenhum dos protagonistas tem interesse em um confronto direto”.

A eventual resposta de Trump, de qualquer forma, já permitiu o tempo necessário à Rússia para reorganizar suas tropas e afastá-las de possíveis alvos do ataque americano.

Segundo diversos relatos, as forças do regime estão se reunindo em torno das bases russas exatamente para ficar a salvo do eventual ataque.

Paralelamente, Putin pode se ver forçado a proteger sua liderança na aliança com o Síria e Irã. “Tem que parecer duro, dar a impressão de que não deixará passar isto”, disse Zilberman.

“Para seu público interno, deve mostrar que não se deixará atropelar por Israel, Estados Unidos, França ou qualquer outro”.

O redemoinho permanente que parece atingir a administração Trump é outro agravante. “A confusão é um elemento problemático, de incerteza, no momento em que a ordem internacional posterior à Guerra Fria está se erodindo rapidamente”, apontou Toucas.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.