Em votação histórica, Irlanda decide a favor do direito ao aborto

0
(FOTO: Paul Faith/AFP)

O “sim” obteve uma vitória clara no fim da apuração neste sábado (26), após o histórico referendo na Irlanda sobre a liberalização do aborto.

Dos 2,1 milhões de irlandeses votantes, 66,4% se mostraram favoráveis a revogar a oitava emenda à Constituição da Irlanda, que proibia a interrupção voluntária da gestação.

A decisão é histórica em um país com fortes raízes católicas. “Maravilhoso! É um dia maravilhoso”, comemorou Eileen Shields, que carregava uma placa dizendo “Fizemos história”. Shields lembra que foi abandonada por seus amigos e pela Igreja quando engravidou durante sua adolescência, há 46 anos, sem estar casada.

“Estou aqui porque tenho 65 anos e, em 1972, a Irlanda não era um bom lugar para viver com 18 anos, grávida e entregue a si mesma”, disse à AFP diante do Castelo de Dublin, onde militantes festejavam a vitória após o anúncio dos resultados oficiais.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, considerou, neste sábado, que o inequívoco “sim” no referendo era “o desfecho de uma revolução tranquila”. “O povo disse que queremos uma Constituição moderna para um país moderno, que confiamos e respeitamos as mulheres para tomarem as decisões corretas sobre sua própria saúde”, afirmou.

Depois de confirmados os resultados, o próximo passo será o governo redigir um novo projeto de lei, autorizando o aborto durante as 12 primeiras semanas de gestação e até as 24 semanas por motivos de saúde. Os resultados definitivos foram divulgados à tarde no castelo de Dublin, três anos depois da legalização, também por referendo, do casamento homossexual. Varadkar prometeu um projeto de lei até o verão (hemisfério norte).

O objetivo é conseguir sua aprovação antes do fim do ano no Parlamento. O texto deve ser adotado sem dificuldade na Casa, já que os líderes dos dois principais partidos da oposição, Fianna Fail e Sinn Fein, apoiam a reforma.

O governo se reunirá na terça-feira. “Saímos da era da escuridão. Não somos mais um país dividido, como a Igreja queria nos fazer crer”, comemorou Catherine Claffey, uma florista de 53 anos de Dublin.

“O voto pelo ‘sim’ aponta um imenso desejo de mudança que ninguém esperava”, escreveu o “Irish Times”. Quase 3,5 milhões de eleitores foram chamados às urnas depois de uma dura campanha.

A participação foi de 63%. A mobilização do eleitorado foi um dos principais eixos dos ativistas anti e pró-aborto. Os primeiros contavam com uma mobilização da Irlanda rural, enquanto o segundo incentivava os jovens a se registrarem e votarem.

A consulta abordou especificamente a questão da revogação da oitava emenda à Constituição irlandesa, introduzida em 1983, que proíbe o aborto em nome do direito à vida “do nascituro (…) igual ao da mãe”. Em 2013, uma reforma foi introduzida para que as mulheres cujas vidas estavam em perigo devido à gravidez pudessem interrompê-la, após a morte devido à septicemia de uma mulher grávida.

AFP.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.