Sua mensagem foi enviada com sucesso. Em breve responderemos.

Fale conosco

Fechar
Início » Notícias » PET » Doenças Respiratórias em Papagaios e Araras

Doenças Respiratórias em Papagaios e Araras

Não é raro chegar em consultórios veterinários clientes que se queixam de que o seu papagaio ou arara está com problemas respiratórios.

 Normalmente o que nós observamos é o corrimento nasal, algumas tentativas de “assoar o nariz” e sacudir a cabeça.

Em casos mais graves a ave se encontra sem comer ou comendo muito pouco. Em outros casos o animal se encontra tão fraco que não consegue ficar no poleiro e em determinados casos nem em pé a ave consegue ficar e, muitas das vezes estes animais não resistem á doença por dois motivos: o primeiro é a falta de um diagnóstico correto por parte do veterinário, e esta é a razão de sempre recomendar os veterinários especializados em animais selvagens.

A outra razão é que o estado de saúde da ave se encontra tão depauperado que ela já se encontra além de qualquer tratamento, pois não possui mais recursos internos para reagir á doença.

Infelizmente estes últimos casos não são raros e, ás vezes me pergunto o porquê as pessoas demoram tanto para trazer seus animais doentes ao veterinário, tornando a chance de restabelecimento muito mais difícil e muitas vezes impedindo, com esta demora, que a ave possa se salvar.

Algumas pessoas falam que tem medo de levar ao veterinário por estarem com um animal ilegal, mas este tipo de assistência é permitida e o veterinário não tem a obrigação de relatar o ocorrência a ninguém, mesmo porque a ética médica exige que os casos acontecidos em consulta sejam sigilosos, ou seja, são de responsabilidade do veterinário e do cliente, não cabendo ao veterinário por exigência da ética, relatar os fatos acontecidos dentro de uma consulta.

Como já foi dito antes em outros artigos, as aves são animais metabolicamente mais velozes, logo seus requerimentos energéticos são maiores que os requerimentos dos mamíferos, o que significa que em tudo elas são mais rápidas, adoecem mais rápido, comem mais, bebem mais e necessitam de cuidados mais urgentes que a maioria dos mamíferos.

O sistema respiratório das aves é mais complexo que o dos mamíferos também, pois possui, além dos pulmões, os sacos aéreos, por onde o ar inspirado também passa, fazendo com que o mesmo se desloque por mais tempo dentro do corpo, servindo como fonte de sustentação, além da função de oxigenação.

 

Na entrada do ar atmosférico, quando este começa a penetrar nas narinas, vem com a temperatura do ambiente externo. As aves possuem uma temperatura corporal média em torno dos 40-41 graus centígrados, uma temperatura bem alta, mesmo se comparado com o de uma pessoa, que possui temperatura corpórea em torno de 36,5 graus centígrados, logo há uma necessidade do organismo de estabilizá-la em níveis aceitáveis e compatíveis com a temperatura orgânica , para que não haja problemas de choques térmicos e morte. Para este fim existem as coanas, estruturas em forma de folhetos, bem irrigados com sangue, para que este mesmo sangue, com a temperatura corporal aqueça o ar que ali chega. Mas este não é o único problema que o organismo tem que resolver.

 Algo muito grave também acontece com o ar que vem de fora e se chama impurezas e microorganismos, coisas que, quando não eliminadas vão fatalmente causar problemas aos pulmões e sacos aéreos. Mas o organismo soube lidar com este tipo de inconveniente. Na parede das narinas existem células ciliadas e células produtoras de muco. O muco, que é um tipo de substância semelhante ao gel, faz com que as impurezas e os microorganismos grudem em sua superfície e os impede de prosseguir para dentro. Para que este muco contaminado não entre no pulmão, as células ciliadas agem como escovas e vassouras, expulsando este material para fora.

Bem, aí a gente sabe que sempre vai ficar alguma coisa sobrando do que não foi expulso pelo muco e pelas células ciliadas, e este material que fica é digerido pelas células de defesa do organismo que ali se encontram em grande quantidade.

Então, se mesmo com estes sistemas de defesa, se mesmo com o sistema de calefação eficiente, qual a razão pela qual a minha ave se encontra doente?

Geralmente um animal em boas condições de saúde não adoece, a não ser que um tipo diferente de microorganismo tenha contato com ele, e ele não esteja familiarizado com este contato, mas outros fatores importam, como o stress pelo qual o animal esteja passando, a qualidade da alimentação e da água, o tipo de ambiente e o estado de saúde. Estes fatores quando alterados de forma a se tornarem abaixo dos níveis ideais levam ao sistema imune do animal a trabalhar de forma abaixo do nível ideal, e é quando a doença pode chegar.

O que uma pessoa que tem consciência destes fatores deve fazer é procurar fornecer um ambiente, alimentação e cuidados suficientes para que a saúde das suas aves não corra riscos com a possibilidade de doenças. A assistência profissional de um veterinário especializado é apenas uma parte da equação apenas.

Muitas pessoas chegam ao meu consultório com papagaios que se alimentam de forma inadequada pedindo que eu prescreva complexos vitamínicos para suas aves, que sequer se alimentam da forma certa! Não adianta administrar remédios em quaisquer que sejam os animais, se os mesmos não possuem requisitos básicos para sua manutenção, e, infelizmente este tipo de observação e avaliação é apenas da responsabilidade de um profissional habilitado, pois leigos não possuem a formação necessária para perfazer uma avaliação clínica satisfatória.

Se a sua ave tem problemas respiratórios, existe uma causa e se existe uma causa, algo pode ser feito a respeito. Leve ao veterinário especializado para que o mesmo avalie corretamente o estado de sua ave, caso necessite, realize exames para detecção do problema e estabeleça um protocolo adequado ao seu animal e às suas condições, para que o problema possa ser realmente controlado e até resolvido.

Deixe seu comentário