Homicídios no Carnaval crescem 28,2%

0
(Foto: Cícero Dias)

Com registro de 59 homicídios durante operação de Carnaval, o Ceará tem aumento de 28,2% este ano, no comparativo com o período de 2017. Em média, foram 13 mortes diárias em monitoramento que começou às 18 horas da sexta-feira, 9, e terminou às 6 horas da quarta, 14. O número médio ficou abaixo do registrado em janeiro deste ano, que foi de 15 mortes violentas a cada dia do mês.

Os dados foram divulgados na manhã de ontem pelo titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, em entrevista coletiva, na sede do órgão. De acordo com o balanço, Fortaleza concentra 35,5% dos assassinatos no período. O número de 21 mortes violentas da Capital é 110% maior que o de 2017. Na Região Metropolitana houve aumento de 40%, passando de dez homicídios em 2017 para 14 este ano.

Para o professor da Universidade Federal do Ceará e coordenador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV), o sociólogo César Barreira aponta que os números do período momino são historicamente expressivos. “No Carnaval existe a festa, uma quebra de determinadas regras, o aumento do consumo do álcool e isso contribui para cenas de violência, de forma geral”, observa. Ele pondera que “não se pode analisar os fatos isoladamente”. “Não é o Carnaval em si. No Ceará, o dado de aumento de homicídio reforça a tendência que estamos apresentando de violência, que é de crescimento de homicídios, que vem desde 2017, e que em 2018 já se apresenta como ano violento”.

A análise casa com o dado apresentado pela SSPDS de que em todo o Estado não houve mortes em locais em que aconteciam festas. No Interior Norte (com 13 registros de mortes) os números são iguais aos de 2017; e no Interior Sul (com 11 homicídios, contra os 13 do ano anterior) houve redução de 15,3%.

O secretário André Costa credita os números do Interior do Estado às ações de prevenção que ocorreram antes mesmo do Carnaval. “Tivemos diversas operações antes do Carnaval. E, por isso também, não tivemos nenhum evento com maior repercussão. Tivemos, sim, um número elevado de mortes, mas inferior à média dos últimos meses. E mesmo com mais homicídios, não foi nada que fuja do que vem acontecendo no Estado”, observa.

O secretário também apontou a redução de 38,4% do número de roubos e

furtos durante o período, passando de 582 em 2017 para 346. O índice revela, para Barreira, que houve a confluência de dois fatores: mais gente nas ruas, o que dá sensação de segurança, e presença ostensiva da Polícia. “O maior número de pessoas na rua faz com que tenha mais gente observando as cenas, e por isso os assassinatos tendem a diminuir. Podem ocorrer outros delitos, como furtos e assaltos. Se houve diminuição, isso mostra que a presença da Polícia tem papel fundamental nesse tipo de ocorrência”.

ACIDENTES E AFOGAMENTOS 

TRÂNSITO 

O número de mortes nas estradas cearenses caiu 63,6% neste Carnaval, passando de 11 para quatro mortes. As quatro mortes neste ano, nas CEs, foram causadas por uma colisão frontal, um tombamento e dois capotamentos. Em 2017, haviam sido 66 acidentes e 54 feridos. Já nas rodovias federais o número de acidentes graves reduziu 25%, passando de 12 para nove. Já na vias de Fortaleza, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania não registrou nenhuma morte no período.

SAMU 

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192 Ceará) fez 1.007 atendimentos no período. Com 52,5%, os traumas relacionados a acidentes com motocicleta lideram ranking.

AFOGAMENTOS O Corpo de Bombeiros resgatou 63 pessoas de afogamentos. Oito pessoas morreram por afogamento, três a menos que em 2017.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui