Entidades criticam restrição do TSE a pesquisas eleitorais

0

A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de proibir temas não relacionados à eleição em pesquisas eleitorais limita a liberdade de expressão, prejudicando o acesso do cidadão à informação, afirmam as principais associações do setor de comunicação do País.

Em nota conjunta, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) criticaram a resolução aprovada, por unanimidade, pelos ministros da Corte leitoral. Para as associações, a nova resolução é “preocupante.”

“A decisão limita a liberdade de expressão, direito constitucional que garante ao cidadão brasileiro emitir sua opinião sobre qualquer assunto e ter acesso à informação de interesse público. Torna ainda inviáveis o mapeamento e o monitoramento de variáveis que compõem o voto do cidadão”, diz a nota divulgada nesta quarta-feira, 7.

A resolução foi aprovada no dia 1.º de março e publicada no Diário da Justiçaeletrônico no dia 5. Ela já vale para as eleições de outubro, quando os eleitores vão escolher o novo presidente da República, governadores, senadores e deputados federais, estaduais e distritais.

Segundo a resolução, as pesquisas eleitorais devem abordar exclusivamente em seus questionários conteúdos relacionado às eleições. Também de acordo com o texto, os questionários não poderão conter “afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou informação sabidamente inverídica, sob pena de suspensão de sua divulgação ou de anotação de esclarecimentos”.

Prazo.

Os institutos de pesquisa, segundo a nova regra, devem registrar a enquete no TSE até cinco dias antes da divulgação. Para as entidades, respeitados legislação e os procedimentos de registro, a “plena liberdade” deve prevalecer na elaboração dos questionários referentes às pesquisas. “A Abert, a ANJ e a Aner têm a plena confiança de que o TSE tomará as providências necessárias para que não haja qualquer embaraço à livre circulação de informações.”

Em janeiro, o deputado Jair Bolsonaro (RJ), que ontem se filiou ao PSL, tentou barrar a divulgação de uma pesquisa do Datafolha. Segundo Bolsonaro, os questionamentos feitos pelo instituto eram “tendenciosos”. A pesquisa foi publicada. Um dia depois da publicação, o TSE, antes da nova resolução, negou o pedido de Bolsonaro.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.