A Notícia do Ceará
PUBLICIDADE

Países alertam consequências à Coreia do Norte pelo disparo de míssil

size_810_16_9_kim-coreiaTóquio, Seul e Pequim se somaram nesta quarta-feira a Washington e alertaram a Coreia do Norte para as consequências do eventual disparo de um míssil balístico, semanas após Pyongyang realizar seu quarto teste nuclear.

A Coreia do Norte informou na terça-feira a três agências da ONU que lançará um foguete para colocar um satélite em órbita entre 8 e 25 de fevereiro.

Pyongyang insiste que se trata de um programa espacial de caráter exclusivamente científico, mas a comunidade internacional considera que os lançamentos são testes encobertos de mísseis balísticos.

Publicidade

Este anúncio ocorre num momento em que as Nações Unidas preparam uma resolução para endurecer as sanções contra a Coreia do Norte, após o anúncio de que havia realizado em 6 de janeiro passado seu quarto teste de uma bomba nuclear.

Um lançamento deste tipo teria “consequências reais” e seria “um argumento mais forte em favor de uma ação do Conselho de Segurança das Nações Unidas”, declarou o secretário de Estado americano adjunto para a Ásia, Danny Russel, afirmando que isso pode se traduzir em “duras sanções suplementares”.

A China também expressou nesta quarta-feira sua profunda inquietação sobre os planos norte-coreanos. “Expressamos nossa profunda inquietação a respeito”, disse um porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Lu Kang.

Ele convocou Pyongyang a se abster de “ações que possam conduzir a uma escalada das tensões na península coreana”.

O governo japonês reagiu com dureza. “Se a Coreia do Norte se obstinar a realizar este lançamento, será uma violação das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e uma séria provocação”, disse o primeiro-ministro Shinzo Abe ante o Parlamento.

O ministério japonês da Defesa emitiu posteriormente uma ordem para destruir o míssil “se ficar confirmado que cairá sobre o território japonês”.

Pouco antes, o governo da Coreia do Sul em uma declaração oficial havia convocado a Coreia do Norte a renunciar ao projeto, argumentando que “todo lançamento utilizando tecnologia balística é uma violação das resoluções da ONU”.

Aniversário de Kim Jong-Il

“É um comportamento típico”, estima John Delury, professor associado da Universidade Yonsei de Seul. “Enquanto esperam a resposta para o teste nuclear, também decidem disparar um míssil. O Norte costuma atingir duas vezes”.

Segundo a informação fornecida pelo regime norte-coreano, o lançamento será realizado pela manhã, entre as 07h00 e as 12h00 locais (20h30-01h30 de Brasília).

As datas escolhidas sugerem que o lançamento coincidirá com 16 de fevereiro, aniversário do ex-líder Kim Jong-Il, pai do atual chefe de Estado, Kim Jong-Un.

As especulações na comunidade internacional sobre este lançamento foram crescendo nas últimas semanas devido às imagens de satélite que mostram um aumento da atividade na estação de lançamento de Sohae.

Desde o início de 2013, a Coreia do Norte aumentou as capacidades da base de Sohae, que agora pode lançar foguetes a uma distância maior e com cargas mais pesadas.

Mas a maioria dos especialistas acredita que Pyongyang ainda está longe de alcançar a capacidade de enviar mísseis balísticos intercontinentais.

“A Coreia do Norte ainda está longe de poder atacar o território americano”, explicou Siegfried Hecker, um dos principais especialistas ocidentais sobre o programa norte-coreano.

“Só realizou um lançamento espacial com êxito. Precisa de muito mais, mas fez um grande esforço nesta direção”, indicou.

Exame Abril

WhatsApp
Facebook
Twitter
Telegram
Imprimir