A Notícia do Ceará
PUBLICIDADE

Meningite causa 12 mortes e mais de 90 casos no Ceará em 2024

De acordo com levantamento da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa), 12 mortes por meningite foram registradas no Ceará em 2024 até o dia 8 de junho. Além disso, no total, 93 casos foram registrados, no qual 5 foram da doença meningocócica, que é causada por bactérias, e 88 de outras meningites, que podem ser provocadas por vírus, parasitas, fungos ou outros vetores.

A pesquisa da Sesa detalha que mais de da metade dos casos registrados foram na Coordenadoria de Fortaleza, no corresponde a Capital, Aquiraz, Eusébio e Itaitinga. No entanto, quando comparado com o mesmo período do ano passado, é notado uma redução no número de casos da doença, quando teve 124 registros.

De janeiro ao início de junho de 2023, 7 mortes causadas pela doença em questão foram contabilizadas, no qual, destes óbitos, 41,6% das vítimas tinham a faixa etária de 1 até 9 anos.

A meningite consiste em uma inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. A doença pode ser causada por vírus, bactérias, fungos e outros microrganismos. Segundo Fernanda Remígio, infectologista do Hospital São José, a meningite de origem bacteriana é, normalmente, a forma mais grave da doença, tendo como sintomas febre, dor de cabeça, rigidez na nuca, mal-estar, vômito e náusea.

Caso o paciente não seja tratado a tempo e de maneira correta, é possível que contraia sintomas mais graves como convulsões, coma e até chegar a morte. Além disso, o Ministério da Saúde pontua que existem sintomas específicos para cada agente transmissor.

Saiba como diferenciar cada tipo de meningite:

  • Sintomas de meningite viral: febre, dor de cabeça, rigidez de nuca, náusea, vomito, falta de apetite, irritabilidade, sonolência ou dificuldade para acordar do sono, letargia, fotofobia (aumento da sensibilidade à luz). Em bebês, os sintomas citados podem ser mais difíceis de perceber. O bebê pode ficar irritado, vomitar, alimentar-se mal ou parecer letárgico ou irresponsivo a estímulos. Também podem apresentar a fontanela (moleira) protuberante ou reflexos anormais.
  • Sintomas de meningite por parasitas: dores de cabeça, rigidez de nuca, náuseas, vômitos, fotofobia (sensibilidade à luz) e/ou estado mental alterado (confusão).
  • Sintomas de meningite por fungos: febre, dor de cabeça, rigidez de nuca, náusea, vômitos, fotofobia (sensibilidade à luz) e estado mental alterado.

Vale lembrar que a doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra, por meio de contato mais próximo. Fernanda detalha que a transmissão das meningites se dá por meio das gotículas que liberamos ao falar e respirar. “Existem grupos de pessoas em que a doença é um agravante. As crianças, os idosos e as pessoas imunossuprimidas são as mais vulneráveis a contraírem a doença e são considerados grupos de risco”, explicou a infectologista.

Durante o ano de 2023, o Estado não conseguiu atingir a meta de cobertura vacinal mínima contra a doença, que é de 95%. De acordo com o painel da Secretaria de Informação e Saúde Digital (SEIDIGI), o índice para a primeira dose foi de 90,81%, enquanto a segunda foi de 90,01%.

A pediatra Vanuza Chagas salienta que a vacinação é a melhor maneira de prevenção contra a meningite. Além disso, a médica destaca que  “1 em cada 5 sobreviventes da meningite por meningococo apresentam sequelas graves, que podem incluir amputação de membros, perda auditiva, deficiência visual”.

Até o dia 10 de junho de 2024, 79,57% do público alvo foi vacinado no Ceará, fora 76,23%, que tomaram o primeiro reforço. Contudo, estes dados ainda estão abaixo da meta prevista, trazendo uma para s pais que ainda não levaram as crianças para tomar o imunizante.

chances de alguém contrair a doença. Por isso é tão importante tomar a vacina”, destaca a infectologista Fernanda Remígio.

WhatsApp
Facebook
Twitter
Telegram
Imprimir